Image Map

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Um agulha no palheiro ( The Catcher in the Rye) de J. D. Salinger

Os alunos americanos têm tanta sorte por poderem estudar este livro nas aulas! Quem me dera ter estudado Uma agulha no palheiro quando frequentei o secundário. Ok, por aqui já percebem que gostei do livro!

Jerome David Salinger é um famoso escritor do século XX. Nasceu em 1919 e morreu em 2010. A sua obra mais famosa é então Uma agulha no palheiro, ou The catcher in the rye, como é mais conhecido, tendo sido publicado em 1951.

Holden Caulfield é quem nos vai narrar a sua própria história. Começa então quando ele acaba de ser expulso de Pencey, que é a escola que frequentava, pouco antes das férias de natal. Como não quer voltar já para casa e ter de lidar com a fúria dos pais (pois não era a primeira vez que era expulso da escola), decide ir para Nova Iorque, onde mora, e vaguear pela cidade. Durante esses três dias que fica na cidade, vai viver vária situações e meter-se em alguns problemas, mas sempre reflectindo sobre ele próprio e os outros.

O livro é em primeira pessoa mas escrito de forma a que pareça uma conversa entre o leitor e o protagonista. Ele vai-nos pondo a par da sua história, como o seu irmão que morreu, e falando sobre a sua família e todos aqueles que entram na história seu conhecidos. Não posso contar muito daquilo que ele vive enquanto está em Nova Iorque porque não quero revelar demais, mas é um livro muito interessante e as situações em que ele se mete e as suas reacções para com elas, ajudam-nos a perceber ainda mais o seu carácter.

Holden não nos faz querer ser como ele, como muitos protagonistas adolescentes. Tem 16 anos mas ideais muito definidos. Poucos ou nenhuns são os adultos que não o façam ficar "varado" (expressão que ele usa constantemente), em contrapartida ele adora crianças e a sua ingenuidade para com o mundo. No fundo este livro é uma reflexão sobre como os adultos são falsos e usam constantemente máscaras para encobrirem o seu verdadeiro ser, enquanto as crianças não precisam nem usam esses tipos de mecanismos de defesa pois elas são espontâneas e verdadeiras. Uma das únicas personagens com quem Holden se entende é a sua irmã Phoebe que também é uma criança e com quem ele termina o seu relato.

Uma das passagens que mais me marcou e que acho que ilustra bem um dos sentidos do livro é a seguinte: "Mas o melhor daquele museu era as coisas estarem sempre quietas. Nada se movia. Podíamos ir lá cem mil vezes que o esquimó estaria ainda a pescar os dois peixes, os pássaros a voarem para o sul, os veados a beberem nas pequenas poças, com os lindos chifres inclinados e as belas e esguias pernas. A índia, com o peito descoberto, lá estaria a tecer o cobertor. Nada se modificava. Só nós nos modificávamos. Não digo que fôssemos mais velhos, isso não. Seríamos apenas diferentes, mais nada."  (pag.140).

Ao longo da obra também nos apercebemos de temas que preocupam tanto os jovens como o que o futuro trará e todas as inseguranças e experiências desta fase da vida.

O título da obra é-nos explicado na história pois um dos sonhos de Holden seria viver num campo de centeio situado junto a um precipício, com muitas crianças e ter como função impedir que elas caiam. Pode ser entendido como uma metáfora, ele estaria a impedir que as crianças caíssem na vida adulta.

A escrita é muito boa e simples pois a história está-nos a ser contada por um adolescente com a sua linguagem própria.

Nesta crítica falei muito pouco de tudo o que este livro aborda e engloba e recomendo muito que o leiam pois é um daqueles livros bons de ser ler em qualquer altura mas principalmente durante a adolescência.

Beijinhos
Marina Pinho

5 comentários:

  1. Na minha opinião os alunos americanos estudam livros muito mais interessantes nas aulas que nós cá em Portugal! Muitos dos livros que eles estudam eu via-me a ler mesmo que não tivesse que ler para as aulas, coisa que não acontece com os livros que estudamos cá... :)

    johnsreportblog.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Que bela review Marina:) Gostei mesmo muito.
    Foste a primeira que me conseguiu entusiasmar com o livro. Fico feliz então por o ter comprado:)
    Beijos

    sonharolhosabertos.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  3. Quero imenso ler este livro, tenho curiosidade já há algum tempo, pois em alguns livros americanos, os personagens alunos falam dele! :)
    Parece bem interessante!
    Beijinhos! ^^

    ResponderEliminar
  4. Olá! Passei-te uma tag no meu blog. A tag chama-se Queimar, Reler, Reescrever e podes responder em vídeo ou num post no blog, como quiseres. :)

    johnsreportblog.blogspot.com

    ResponderEliminar
  5. Gostei muito da tua review, fiquei bem curioso para ler o livro. Já tinha ouvido falar dele mas só agora fiquei mais interessado... :D
    Tens uma tag à espera no blog :)

    ResponderEliminar

Thank's for your lovely comment :)